quinta-feira, 16 de setembro de 2010

METADE

Esse texto abaixo é do cantor, compositor e escritor Oswaldo Montenegro. Leve e ao mesmo tempo forte, esse texo sintetiza muitos sentimentos que fazem parte da minha vida. Sou metade de mim mesma.

METADE
Que a força do medo que tenho não me impeça de ver o que anseio
Que a morte de tudo em que acredito não me tape os ouvidos e a boca
Porque metade de mim é o que eu grito, a outra metade é silêncio.

Que a música que ouço ao longe seja linda ainda que tristeza
Que a mulher que amo seja pra sempre amada mesmo que distante
Porque metade de mim é partida, a outra metade é saudade.

Que as palavras que falo não sejam ouvidas como prece nem repetidas com fervor
Apenas respeitadas
Como a única coisa que resta a um homem inundado de sentimentos
Porque metade de mim é o que ouço, a outra metade é o que calo.

Que a minha vontade de ir embora se transforme na calma e paz que mereço
Que a tensão que me corrói por dentro seja um dia recompensada
Porque metade de mim é o que penso, a outra metade um vulcão.

Que o medo da solidão se afaste
E o convívio comigo mesmo se torne ao menos suportável
Que o espelho reflita meu rosto num doce sorriso que me lembro ter dado na infância
Porque metade de mim é a lembrança do que fui, a outra metade não sei.

Que não seja preciso mais do que uma simples alegria pra me fazer aquietar o espírito
E que o seu silêncio me fale cada vez mais
Porque metade de mim é abrigo, a outra metade é cansaço.

Que a arte me aponte uma resposta mesmo que ela mesma não saiba
E que ninguém a tente complicar, pois é preciso simplicidade pra fazê-la florescer
Porque metade de mim é platéia a outra metade é canção.

Que a minha loucura seja perdoada porque metade de mim é amor
e a outra metade também.

OBS: A bela imagem foi retirada do lindo blog da loja Maria Filó.

7 comentários:

  1. Na minha opinião, esse moço é um dos poetas vivos mais competentes da contemporaneidade. E esse poema é uma dos mais belos que ele escreveu... Lindo, lindo...

    Parabéns por trazê-lo aqui!

    Bjs!

    ResponderExcluir
  2. Pois é Isabele. Me apaixonei de vez pelo trabalho dele ha muitos anos, quando assisti as peças "A Lista", "Dança dos Signos" e claro "Léo e Bia" - todas escritas por ele. Fiquei encantada na hora. Uma dica: Vi que a peça Leo e Bia foi transformada em filme e deve chegar em breve aos cinemas. Adorei sua visita.
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. .

    Agradeço sua chegada no meu cantinho.
    Seja muito bem-vinda!

    Te sigo também!

    Entro aqui, e de cara já dou com esse texto maravilhoso da minha outra paixão.

    Pretendo um dia me tornar Montenegro e Montenegro. rsrs (Sonhar pode, né?)

    Tenho alguns trechos dele no meu outro blog e sempre repasso tb no orkut. São todos maravilhosos.

    Gostei daqui e volto e volto.

    Deixo beijos e sorrisos

    =)


    .

    ResponderExcluir
  4. Aline, eu acho o Oswaldo um gênio!!

    Eu admiro, ouço, curto esse cantor/poeta/gente!!

    Maravilhosaaaaaaaaaaaaaaaaaaa musica e post!!!

    Um beijo meu!!!!

    ResponderExcluir
  5. Aline, teu espaço é fantástico. Gostei muito.
    Essa música-poema do Oswaldo Montenegro é linda. Eu a tinha gravada toda pois fiz um vídeo, uma vez, com ela.
    Gostei daqui, voltarei sempre.

    Beijos.

    Ah, bem vinda ao Partitura. Volte sempre que quiser...

    ResponderExcluir
  6. Belíssima escolha, moça!
    Já pude ver que tem um ótimo gosto!
    Voltarei mais vezes!
    Obrigado pela visita!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  7. Belíssima imagem e magnífica letra!

    Me lembraram um fragmento de Clarice Lispector no livro "Uma Aprendizagem ou o Livro dos Prazeres":


    "Temos disfarçado com falso amor a nossa indiferença, sabendo que a nossa indiferença é angústia disfarçada, temos disfarçado com o pequeno medo o grande medo maior e por isso nunca falamos o que realmente importa... falar o que realmente importa é considerado uma gafe"

    Um beijo!

    ResponderExcluir