quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Morando na taquicardia

Mesmo calada a boca,
resta o peito.

(Chico Buarque)

11 comentários:

  1. Aline, queridaaaaa!

    E como resta o peito...mesmo sagrando de dor...

    Beijoooo, minha flor!

    ResponderExcluir
  2. Silvia...seu blog me inspira tanto...e como gosto das suas visitas... obrigada por vir ao meu cantinho. E como resta o peito...

    Esqueçamos a distância. Definitivamente, a partir de hoje, você vai morar na minha taquicardia".
    (Marla de Queiroz)

    ResponderExcluir
  3. Esse, o peito, nunca se cala, mesmo quando tentamos reprimi-lo.

    Beijos. Te sigo!

    ResponderExcluir
  4. Pois é... esse é o problema Leo.
    Te sigo também.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  5. Os desejos reprimidos ficam latentes nos inconsciente, como um espinho cravado na pele...

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  6. E quando o peito fala, não há palavra que o supere.

    ResponderExcluir
  7. que prosa gostosa eh essa? delicia de cantinho! amei a frase de Clarice ... meio eu, rs!
    um bj doce e apareça nas abobrinhas,
    Roberta

    ResponderExcluir
  8. Querida!
    Vc ganhou primeiro lugar na nossa indicação de selinho do Premio Sunshine Awards! Confere la no blog ;)
    beijocas beijocas

    ResponderExcluir
  9. Que luxo!! Ganhei indicação de selinho!!

    ResponderExcluir